Sexta-feira, 11 de Dezembro de 2009

Prendas de faz de conta

- Mãe, sabes uma coisa?

- Diz filhota.

- A Cátia, tem na Árvore de Natal, prendas de faz de conta!

- Ai sim?

- Sim, Mãe. São prendas sem nada lá dentro.

- Ai é?

- Sim Mãe! Não é daquelas prendas que se rasga o papel, sabes?

 

tags:
publicado por susana às 23:25
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 9 de Dezembro de 2009

Saudades do ginásio

É mais do que uma rotina  e não custa preparar o saco três vezes por semana nem tão pouco cai no esquecimento o dia em que religiosamente vou à ginásio.

Talvez por isto esteja a ser tão penoso a falta desta mesma rotina porque o ginásio fechou temporariamente.

Fico deprimida à hora de almoço e nem o facto de pensar que vou ver montras me faz dar pulos de alegria. 

Quem me tira o ginásio, tira-me tudo....

Já não basta ser o mês mais perigoso do ano pelas calorias que ingerimos e isto sem contar com as férias de Verão, é motivo mais do que suficiente para entrar em depressão.

Logo eu, que como qualquer iguaria desta época.

Ai não, bolo rei não gosto, tem frutos cristalizados, rabanadas nem pensar, pão-de-ló nem vê-lo, frutos secos, não sou capaz de comer, aletria nem cheirá-la, pois sim!!!!

Quem fala assim não é gago, mas é tolo!

Ainda assim, sou capaz de deixar para trás uma cereja cristalizada ou aquelas peras secas espalmadas que me causam tanta confusão.

Afinal nem sou tão maluca por doces! Realmente estava a exagerar!

Mas sem querer desviar-me deste meu problema, que só a partir de Janeiro será resolvido, não deixei de estar presente no almoço de Natal das colegas do ginásio.

E não deixamos por menos, ai que bela a francesinha do Cantinho de S. João.

Posso ter vindo com umas calorias a mais, mas a neurose passou, ai se não passou..

 

sinto-me:
publicado por susana às 22:08
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 2 de Dezembro de 2009

O que desejo neste Natal

 

 

Nesta época do ano em que tanto se escreve sobre os votos de Natal, corro o risco de me tornar repetitiva e desejar tudo aquilo, que toda a gente deseja.
Saúde, paz, amor, esperança, trabalho e acabar com a fome no mundo, são provavelmente os desejos mais pedidos por todos, a cada renovação da quadra Natalícia, mas pergunto-me se não deveríamos ser mais ambiciosos ainda ou mais sinceros em relação ao que realmente desejamos e deixarmo-nos de demagogias vãs.
O que dizer de alguém que convive connosco no dia a dia, familiar ou amigo, com saúde, com uma casa, com comida na mesa, com trabalho e não é feliz?
O que dizer de um amigo, de nós próprios, que todos os dias mesmo rodeados de tanta gente, do marido e dos filhos se sente só?
O que dizer de tantos que aparentemente são saudáveis, mas vivem com a alma enfraquecida, despojada de afectos, cheia de nada, despidos de auto-estima e ensombrados por um turbilhão de emoções, vulneráveis, melindrados.
Vivem acorrentados a um semblante carregado de tristeza, sem brio, amor próprio e sem esperança.
Desejamos tanto, gostaríamos que o mundo mudasse, que fosse mais colorido, mais bonito, no entanto não vemos toda a infelicidade à nossa volta, no trabalho, na nossa casa, no café onde entramos todos os dias, nos locais comuns que frequentamos assiduamente.
O que dizer de alguém que tem trabalho, que vive desmotivado, oprimido, não é reconhecido, mas que ao nascer de cada dia não desiste e continua a lutar, com todas as suas forças e não abandona o seu posto.
O que dizer de uma família com pai, com mãe, com filhos, mas em que lhes falta tempo.
Tempo para educar ou para brincar com os filhos.
Tempo que não permite acompanhar o seu crescimento.
Tempo que os separa e os divide, tantas vezes por questões profissionais.
Tempo que os aproxima tão só e apenas pelo coração, porque fisicamente não se encontram, porque passam dias longe uns dos outros.
Tempo que rouba a cada dia que passa, um beijo pela manha.
Tempo que rouba um colo quando precisamos de chorar.
Tempo que conta todas as nossas lágrimas, mas que nos deixa sós sem um abraço.
Tempo que nos faz crescer ou definhar com as vicissitudes da vida.
Tempo em que mudamos e deixam de nos reconhecer.
Haverá tanto para desejar, para quem aparentemente tem tudo mas ainda lhe falta tanto.
As nossas famílias estão despidas de conforto mesmo que não lhes falte roupa.
Ás nossas famílias faltam momentos de carinho e de diálogo.
Quantas famílias estão tão perto do abismo, a um passo de desmoronar.
Vivemos num tempo, sem tempo para reforçar os nossos pilares, colocando em risco os alicerces de uma vida sã dando origem ao desequilíbrio mental, à insanidade, ao desalento.
Perguntamos porquê.
Desejo a todos força para lutar, muitas vezes num duelo desigual.
Coragem para saber dizer não e pensar mais em si próprio.
Que não falte um colo, um abraço, alguém em quem possamos confiar verdadeiramente.
Que um pai esteja sempre ao lado da mãe e que juntos eduquem os seus filhos com sabedoria.
Que o amor saia fortalecido nos momentos de provação.
Que nunca falte o respeito e que os laços de um casal se transformem num nó impossível de ser fendido.
Que a integridade seja o nosso caminho e paz de espírito o nosso porto de abrigo.
A todos um Santo Natal.
sinto-me:
publicado por susana às 14:09
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Caminhos

. Insónias

. Saudades e pipocas

. Girassóis

. Sunset

. Exercitar a mente

. Contemplação

. Taxa de álcool no sangue!...

. Vou ou não?

. A velhice é do caraças

.arquivos

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2016

. Agosto 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds