Sábado, 25 de Setembro de 2010

O espigueiro

foto.jpg

Adoro-os.

Acho-os fantásticos e aqui no norte, existem muitos exemplares.

Este é peculiar, em miniatura, um exemplar.

Não lhe conheço a história e fotografei-o perto da escola do meu filho, tão engraçado.

Quase que o podia ter trazido para casa, de tão pequenino que é.

Adorei!

 

publicado por susana às 16:45
link do post | comentar | favorito

Coração de pedra

foto.jpg
Na praia, no Algarve, encontrei-a disfarçada, por entre milhões de grãos de areia.

A pedra tinha um feitio peculiar e guardei-a.

Tenho-a há muitos anos e faz parte da mobília da casa e sempre esteve no meu quarto.

Já lhe chamei amuleto da sorte e ainda hoje quando me cruzo com ela, porque nos vemos todas as manhas, é no meu amor que eu penso, é ele que se apodera da minha mente, esteja ali a meu lado, ou a quilómetros de distancia.

Hoje sem querer, de forma involuntária, a minha mãe tomou-lhe o lugar, talvez porque de forma inconsciente o meu pensamento adormeceu e acordou com ela e o meu amor está aqui ao meu lado.

publicado por susana às 07:54
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 24 de Setembro de 2010

É bom chegar a casa

Ter toda a família à minha espera.

A correr ao meu encontro, quando na verdade este não é o hábito.

Eu estou sempre presente, preparo o jantar, dou-lhes banho e sou a primeira a saber das novidades do dia.

Agora vamo-nos habituar a um dia diferente, mas vai ser bom para todos, vai, vai!

publicado por susana às 22:33
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 23 de Setembro de 2010

FAIR

TOP PEOPLE DOESN´T MEAN INTELLIGENT PEOPLE!

 

FAIR: What is the result of your equation I/O (Beeing I = the total effour that you put in your work and O = the outputs that your work give's you)

 

Are you beeing fair?

 

Imagem retirada da internet

publicado por susana às 23:10
link do post | comentar | favorito

Mais uma consulta

Os últimos exames, as análises, as longas horas de espera, o desespero e a ansiedade.

De uma forma ou de outra, todos os que ali estavam padeciam ou já padeceram da mesma doença e a partilha de experiencias foi uma constante, mas nem sempre abonatória, principalmente, para quem ainda não passou pela experiencia da operação, sabendo que esse será o próximo passo.

Muito raramente encontramos um doente sozinho, isso aconteceu na ultima consulta e hoje voltou a acontecer, mas parece-me ser uma excepção á regra, que praticamente todos os doentes, se fazem acompanhar por um familiar e curiosamente, não são maridos nem esposas, são filhos.

Esta constatação felizmente contrasta com muitas das notícias, que nos entram pela casa a dentro através da televisão, relativamente à ausência de cuidados básicos e negligencia para com os mais velhos e idosos.

Hoje conhecemos o anestesista, um médico bastante novo de uma simplicidade e educação impar, muito humano e de uma delicadeza tamanha, que a minha mãe não conseguiu sequer conter as lágrimas e chorou imenso, enquanto mantiveram um contacto ocular permanente.

Não houve desvios de atenção, de olhares, num mundo à parte, num pequeno consultório, só ela ali importava, mais nenhum doente e nada o demoveu apesar das constantes interrupções.

Enquanto a fixava, sorria e nunca a interrompeu.

Quando chegou a sua vez, falou de forma pausada e respondeu a todas as dívidas e falou-lhe ao coração.

Disse-lhe que ela também fazia parte da equipa e como eles, médicos, também ela, no lugar de paciente, deveria partilhar do mesmo espírito.

Ter confiança e acima de tudo uma postura optimista perante todo este cenário.

Os médicos contam com ela, disse-lhe e continuou a chorar compulsivamente enquanto pedia imensas desculpas pelo comportamento que estava a ter.

O medo é natural e ficaria preocupado se assim não fosse e naquele momento, depois daquelas palavras, aquele homem, talvez na pele de filho e não de  médico voltou a sorrir, com os olhos embargados e a voz trémula.

Ele deixou que ela se recompusesse, que enxugasse as lágrimas e só depois de esboçar um sorriso é que se despediu de nós.

Eu sei que naquele momento, ela saiu daquela sala, mais leve e confiante.

publicado por susana às 21:57
link do post | comentar | favorito

Desviar as atenções

Não é fácil entender, que ainda não as pode comer, mesmo não estando maduras.

É um suplicio para ela perceber que precisam de mais algum tempo antes de serem colhidas e depois acha que sou eu que as quero só para mim!

Que malvadez, com se eu não fosse capaz de partilhar!

Eu que nem gosto nada deste tipo de frutos.

Adoro-os, é o que é e ela também!

tags:
publicado por susana às 20:41
link do post | comentar | favorito

Que saudades

De castanhas assadas e de vinho doce!

Começam a ficar evidentes os cachos de uvas que vão crescendo e saltando os muros.

As castanhas mais envergonhadas, estão-se a preparar para uma entrada triunfal, que ainda não as conseguimos ver, de tão verdinhas que estão as suas casinhas.

 

publicado por susana às 20:21
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 22 de Setembro de 2010

Medo

Não é por estares longe que não me podes dar aquele abraço apertado, tu sabes disso!

Ainda tenho as mãos a tremer e tenho medo.

A distância não impede o conforto, as palavras de amparo e se fechar os olhos sinto a força do teu afago, num abraço cálido.

Pena que não me possas secar as lágrimas, porque não consigo impedir que resvalem pela minha face.

publicado por susana às 19:00
link do post | comentar | favorito

O melhor bolo de chocolate do mundo

De forma a responder aos vários comentários, então é assim:

O bolo é confeccionado apenas em Lisboa e as fotos que coloquei no post anterior, foram lá tiradas, no final de Julho.

O espaço é minúsculo e confesso que ficou aquem das minhas espectactivas, que estava à espera de entrar num espaço moderno, diferente.

Visitem o site para poderem recolher mais informação, nomeadamente os contactos para uma potencial encomenda e obter preços, claro!

Dali saem as encomendas para outras pastelarias, nomeadamente, para uma que existe aqui no Porto.

Em Lisboa podemos provar o bolo, que está disponível em fatias e posso afiançar que é realmente saboroso, aqui no Porto não sei se é possível provar a fatia.

Para fora, o bolo é sempre vendido inteiro.

Feito com suspiro, estaladiço, que lhe confere uma leveza tal que não enche, correndo mesmo o risco de repetirmos e por isso mesmo não é aconselhável aos mais sensíveis, ok?

Aqui no Norte, as encomendas podem ser feitas por telefone, com dois ou três dias de antecedencia e no dia pretendido, têm há vossa frente um bolo fresquinho.

Com os aniversários que se aproximam lá por casa, acho que vou optar por este Bolo maravilhoso.

Sempre é diferente e podemos marcar pontos pela diferença.

Não deixem de provar.

publicado por susana às 13:15
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

O rebuçado de fruta

O percurso pela manhã, passou a ser diferente e não falo das obras da minha
zona, que interditou algumas estradas, falo mesmo do caminho que faço desde
que a escola iniciou, porque o T. está numa escola nova, numa outra
freguesia, embora perto de casa.

Passei a tomar o meu cafezinho, sempre na companhia dele, lá perto da escola
e a dona do estabelecimento, muito simpática por sinal, insiste em
oferecer-lhe todos os dias um rebuçado de fruta.

Deve ser para cativar clientela, ou terá achado piada ao cachopo, mas todos
os dias, é demais, não?

Ele não se importa, que até faz questão de ir pagar, só para receber o
rebuçado.

Hoje delicadamente disse à senhora para guardar a guloseima para amanhã.

- Porque é que não deixaste, afinal é de graça. Disse ele.

- A questão é mesmo essa, já parece um abuso, de vez em quando tudo bem,
agora todos os dias……

- Mas amanhã posso aceitar?

- Amanhã podes!
publicado por susana às 12:34
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31

.posts recentes

. 2019 a terminar!

. Caminhos

. Insónias

. Saudades e pipocas

. Girassóis

. Sunset

. Exercitar a mente

. Contemplação

. Taxa de álcool no sangue!...

. Vou ou não?

.arquivos

. Dezembro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2016

. Agosto 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub