Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011

O corpo é que paga

imagesCAOY88C3.jpg
A noite foi de festa e apesar de não nos termos deitado propriamente a horas indecentes, a manha acordou bem devagar lá em casa.

Os miúdos saíram da cama sonolentos e remelados e eu mais parecia que tinha levado uma carga de porrada valente e o moreno diz que estava enjoado, vai se lá saber porquê, é que assim de repente não me ocorre nada, nadita de nada. Então nós na noite anterior não comemos uma sopinha light? Ah, não, afinal não. Comemos um bacalhau divinal com broa, regamos o jantar com um belíssimo vinho, na melhor companhia, uma vista fantástica sobre o rio e uma lareira acesa.

Do melhor.

publicado por susana às 13:30
link do post | comentar | favorito

O combate

Da última competição que se realizou sábado passado, trouxe duas medalhas, dois segundos lugares especiais, por razões diferentes. Do primeiro combate trouxe uma derrota, porque ainda sente na pele a inércia do corpo, a falta de destreza, tudo culpa daquele pezinho partido que o obrigou a acampar no sofá durante quase dois longos meses. Perdeu, mas deu luta e esforcou-se e isso é que importa.

O pai acha que está no bom caminho, que vai aperfeiçoando a técnica, que a prática é a palavra de ordem e o treino é o mais importante, que os combates vêem depois. No treino semeia-se e no combate colhe-lhe.

Chorou, que ele é mesmo assim, não é mimado, é sensível e verdade seja dita, ele anda à procura de um primeiro lugar e estou certa de que virá, mais cedo ou mais tarde. Do segundo combate e do segundo lugar ficou a admiração que me fez sentir por ele.

O orgulho que me deixou arrebatada, porque lutou com o cuidado e carinho que não se espera numa prova de taekwondo. Lutou com um adversário especial, que tinha o forte desejo de participar. Um menino com um gosto enorme pela modalidade, um menino com um brilho nos olhos, palavras do meu filho, um menino com paralisia cerebral e para a luta, o adversário tinha que ser escolhido a dedo, um adversário meigo e compreensível.

Num combate há muito mais do que a luta e ganhar nem sempre é o objectivo, ali valores mais alto se levantaram e ele soube entender o que se pediu e se calhar foi por isso mesmo o escolhido. Aquele momento encheu-me as medidas, que nos últimos tempos andamos os dois em guerrinhas constantes, que insisto em sair vitoriosa quando na verdade não me tenho saído bem.

Ele sem perceber, lembrou-me disso.

publicado por susana às 07:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 7 de Fevereiro de 2011

Aprendiz de mãe

Muito intransigente e exigente. Pouco flexível. Se calhar tenho mesmo que desacelerar e deixar acontecer. Deixa-lo dizer parvoíces, deixa-lo esquecer-se de coisas que eu quero que as faça à primeira e brincar muito mais com ele e deixa-lo brincar, muito. Deixa-lo fazer braço de ferro com a irmã, deixa-lo levar a melhor e pavonear-se.

Deixa-lo ser menino, que apesar de já não ser pequeno está longe de ser um homenzinho. Que os meninos têm que brincar e dizer disparates.

Que há muitas formas de ensinar, de lhes iluminar o caminho. Deixar que demore um pouco mais no banho, que se esqueça ás vezes, de lavar os dentes, de dobrar o pijama ou se esqueça de fazer a cama.

E as meias espalhadas pelo chão, a roupa suja no quarto, os recados que se esquece de entregar e as canetas que perde quase todas as semanas.

Deixar que se alongue às refeições e que coma bem devagar e tenha o direito de nem sempre apetecer o que lhe coloco no prato. Deixar que a letra nem sempre saia bem à primeira, deixar que o pão com manteiga nem sempre apeteça e que o traga de volta no fim do dia.

E chama-lo à razão pode ser sem gritos, mas ás vezes não sou capaz e se os filhos têm que ser moldados, os pais também.

Que têm direito ao seu momento e devem ser tratados com respeito. E ás vezes não vemos a razão do lado deles, porque se calhar só vemos um lado, o nosso.

E admitir que têm razão não tem que ser difícil, que eles também nos ensinam muito e é com eles que quero treinar a tolerância.

E grito e barafusto e a conversa descamba e teatralizo um episódio que bem podia passar quase que despercebido. Depois digo que não sei ser de forma diferente, mas se calhar até posso e devo e até sei. E depois os castigos que aplico não surtem efeito e as represálias deixam-nos de costas voltadas e tristes. E se calhar é aqui que estou errada, porque o amor pelos dois é muito e nem tão pouco pode ser mensurado.

O amor que uma mãe nutre pelos filhos não se divide, multiplica-se e dá-se de forma incondicional e mesmo nesta forma de dar, pode haver formas diferentes de amar. E não se ama mais ou menos, ama-se de forma diferente, como as idades, como a forma de pensar e de falar e de agir. Ama-se de forma individual, mas ama-se de forma singular, exclusiva, ama-se de forma excepcional, como uma mãe ama um filho.

E quem disse que ser mãe era fácil? E porque é que não tem que ser fácil? Pode ser. E porque é que se complica?

tags:
publicado por susana às 13:43
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Bodas de Rubi

Disseram sim um ao outro e quarenta anos depois continuam a dize-lo.

Quarenta anos volvidos e continuam a amar-se.

Orgulho. Respeito. Carinho.Uma grande felicidade

Um privilégio ainda maior, que podemos celebrar com eles.

 

publicado por susana às 13:25
link do post | comentar | favorito

O amor é

"O amor é grande e cabe nesta janela sobre o mar.

O mar é grande e cabe na cama e no colchão de amar.

O amor é grande e cabe no breve espaço de beijar.

 

"Carlos Drummond de Andrade"

publicado por susana às 08:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 4 de Fevereiro de 2011

Um almoço de semana diferente

Hoje foi diferente, um dia de estudo, entre papéis e o computador. Um dia assim rende imenso, que não há interrupções, de espécie nenhuma. É que é quase impossível estudar o que quer que seja com os cachopos em redor.

Uma interrupção para almoço, claro que sim, que embora não pareça, é sempre preciso mastigar alguma coisa e hoje tive por companhia o meu filho.

Fui busca-lo à escola e fomos almoçar a casa da minha mãe e ele adorou a surpresa. Sabia que o ia buscar, já tínhamos combinado mas não sabia onde íamos. Uma visita curta que sabe sempre bem, principalmente porque já não nos encontrávamos desde Domingo passado. Um arroz de feijão malandrinho com panados de peru. Um sol magnífico à hora de almoço e uma praia de perder de vista. Não há melhor. Retemperaram-se energias.

 

 

publicado por susana às 22:08
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 2 de Fevereiro de 2011

Ele diz que a televisão é que é

O mais velho não tem trazido trabalhos de casa, nos últimos dias. Nem sei se
isto é bom, se é mau. Ele pelo menos não se importa e quando não tem
trabalhos, ou os termina depois das aulas, antes de eu o ir buscar, gosta de
chegar a casa, depois do banho e enquanto o jantar não está pronto, ligar a
televisão.

Ora, esta semana está de castigo, sem televisão e sem acesso ao meu
telemóvel que também adora os joguinhos que se fazem por lá.

Com uma cara de pau, laroca, ainda assim, cara de pau, ontem pediu-me para o
aliviar do castigo, que não sabia o que havia de fazer. Muito entediado o
rapaz. Um desgraçado a roçar o triste porque não tinha o que fazer. É que
não havia jogos, ou livros, ou diálogo, ou brincadeira entre irmãos. Ontem
não havia nada. Mas até há, há dias assim, que me deixam muito preocupada,
que olhamos para eles e eles parecem não ter alternativas, que é tudo uma
seca se não houver a porcaria de uma televisão ou de um computador.
publicado por susana às 13:01
link do post | favorito
Terça-feira, 1 de Fevereiro de 2011

Bola de carne

E a pedido de algumas famílias, deixo aqui a minha receita, muito simples e económica. E fica sempre bem. Experimentem!

 

  

  

 Ingredientes:

100gr. fiambre

100gr. bacon

100gr. chouriço

100gr. frango cozido

230gr. óleo

230gr. leite

6 ovos inteiros

380gr. farinha

2 c. sopa fermento

sal q.b.

gema de ovo para pincelar

50gr. azeitona preta (opcional)

 

Corte as carnes separadamente e reserve.

Junte os ovos, o leite e o óleo até obter uma mistura homogénea. Juntar a farinha, o fermento e o sal. Voltar a bater.

Verter sobre uma forma untada com manteiga e farinha. Distribuir as carnes e por fim a ultima parte da massa.

Vai ao forno, pré-aquecido a 180º durante 30 minutos.

publicado por susana às 21:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Ou isso ou um par de estalos

Anda descontente mas disfarça bem. E até a mim me enganou, eu que a conheço tão bem, melhor do que eu, ás vezes.

Nem é na voz que reconheço a tristeza, é no olhar parado e caído. Muitas vezes à mistura com raiva e desalento e é vê-la baixar os braços, como se as coisas se resolvessem sozinhas e esperar que passe o momento mau, como que se desaparece. E é o que eu lhe digo, tem que se fazer à vida, não tem que ter medo de abraçar o desconhecido, que sair da zona de conforto, onde está há tantos anos, não é necessariamente mau.

Que a mudança faz parte da vida, do nosso crescimento e a felicidade se depende dela, não pode afogar-se na estagnação dos nossos actos. Águas agitadas não nos trazem necessariamente marés ruins.

Que sobre um céu escuro como breu entrevemos o arco-íris e mais coisas eu dissesse, mais abanava a cabeça como que a dar-me razão, num consentimento muito superficial como quem ouve mas não liga patavina. E é ver tanta conversa a cair em saco roto. Mas é que é mesmo. Concorda com as minhas palavras, que de braços cruzados não fica e é tempo de congeminar novas saídas.

Eu olho para ela e não acredito, que lhe falta vitalidade na voz e o entusiasmo necessário para ir à luta. Aquela inspiração que faz toda a diferença, capaz de destronar o que está mal.

Dá-me tristeza tanta insegurança. Acho mesmo que se está a enganar a ela própria, porque a mim já não engana. Não agora, que os braços caídos falaram embora a boca nada tenha dito.

E um destes dias, o que é que vai acontecer, quando voltarmos a falar no mesmo assunto? Se calhar há-de estar tudo igual. Mas e se estiver? Então é porque falhei. Não fui capaz de lhe abrir os olhos.

E ela não foi capaz de mudar nada, rigorosamente nada.

Tenho para mim que as palavras não serviram de muito ou então serviram de muito pouco. Não devem é ter servido de nada, é o que eu acho. Nada como um bom par de estalos não resolvesse, é o que é. Era tiro e queda para quem anda a dormir na forma.

Insistência é palavra de ordem, que quem não vai desistir sou eu, afinal somos amigas, grandes amigas. Inseparáveis, diria. Ceder, era abdicar, como quem se abandona a si próprio. Isso é que não.

publicado por susana às 13:34
link do post | comentar | favorito

Gripe d'um raio

E o frio, gente, o frio. E esta voz que nunca mais vem. Será que um dia volta? E esta tosse horripilante que me cansa e tira o sono.

Estou a perder a paciencia. Ai, ai.

publicado por susana às 13:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Caminhos

. Insónias

. Saudades e pipocas

. Girassóis

. Sunset

. Exercitar a mente

. Contemplação

. Taxa de álcool no sangue!...

. Vou ou não?

. A velhice é do caraças

.arquivos

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2016

. Agosto 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds