Sexta-feira, 16 de Março de 2012

Parte da solução ou parte do problema

1.

Gosto das cadernetas do aluno como um instrumento de comunicação entre a escola e os pais. Como uma forma de dizer às crianças que nada do que deve ser do conhecimento da família passa à margem da sua atenção e deixa de ser sufragado por ela. E servindo para recordar à escola que os pais delegam, com respeito, responsabilidades educativas ao cuidado da sabedoria dos professores. Já me custa que, vezes demais, a caderneta do aluno seja um muro de lamentações ou um rol de queixinhas. De parte a parte. Como se pais e professores, em vez de se educarem uns aos outros, comunicando os gestos de forma clara e expedita, fossem de lamento em lamento. E, mais do que reconhecerem dificuldades ou trocarem fórmulas educativas de sucesso, encontrassem na caderneta um libelo acusatório onde, quem redige, se excluiu de quaisquer responsabilidades pelas situações criadas por uma criança. Atribuir culpas sem reconhecer responsabilidades é configurar a caderneta do aluno como um tablóide sem função informativa e transformar uma criança num carteiro de queixinhas. As queixinhas nunca são um bom exemplo de sensatez para a educação de ninguém. E, embora haja quem as acarinhe e, até, estimule, são mais bullying do que pode parecer.

Ora, repete-se, muitas vezes, esta vertiginosa tentação para a queixinha da parte de todos os agentes educativos. Como se, em vez dum envolvimento conjunto e responsável, na procura de soluções inovadoras para a que a escola se torne num lugar melhor e mais bonito, todos parecessem mais ou menos dominados pelas experiências que terão tido na sua relação com ela. Afinal, quando os pais se insurgem, em surdina, contra alguns professores, ou depreciam (ao jantar) as respectivas qualidades, estão a educar os filhos para a sabedoria ou estarão a vingar-se, com anos de atraso, da escola que os maltratou e em que cresceram? Afinal, quando os professores esticam o dedo e, entre-dentes, acusam os pais, por tudo e por nada, estão a querer educar as crianças ou estarão a reconhecer neles muitas das omissões que, hoje, reconhecem nos seus? Afinal, para que serve a escola? Se a escola não serve para educar, para que serve a escola? Se a escola não serve para ajudar a pensar, para que serve a escola? Se a escola acarinha o repetir e castiga o recriar, para que serve a escola?

2.
Diante dum erro, ou o escutamos, e nos tornamos inteligentes, ou o iludimos, e ficamos estúpidos. Somos, portanto, sempre parte do problema e parte da solução. Constatar um problema e assumirmo-nos estranhos a ele só acontece quando o problema somos nós. Será assim com a escola como connosco. Mas, então, a educação deve tornar-nos todos, em relação a ela, parte do problema e parte da solução. Admito poder estar enganado, mas a escuta é o início da tolerância e a humildade o princípio da sabedoria. E, em relação à escola - de quem governa, a muitos pais e a alguns professores - tem faltado escuta e humildade.

Uma escola que considera o estudo acompanhado ou a área de projecto como luxo está, perigosamente, a deixar de sê-lo. Como deixa de o ser quando penaliza os «cabeças no ar» e incentiva os «cabeças no chão». Como deixa de o ser quando castiga os faladores (que é quem mais ela devia acarinhar). Como deixa de o ser quando cria mestres aos 23 e, antes de começarem a viver, espera que sejam ídolos, antes dos 30. Como deixa de o ser quando não percebe que as crianças que procuram, compulsivamente, o sucesso ou são deprimidas ou vivem assustadas. Como deixa de o ser quando não percebe que a contrapartida da sabedoria é o mistério (ou, se preferirem, o encantamento para com o invisível).

Por "Eduardo Sá"
na revista Pais e filhos
publicado por susana às 17:22
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Cristina a 17 de Março de 2012 às 12:35
Obrigada pelo texto!
Há professores na escola do meu filho a precisar de o ler, sem dúvida, assim como alguns pais...

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31

.posts recentes

. 2019 a terminar!

. Caminhos

. Insónias

. Saudades e pipocas

. Girassóis

. Sunset

. Exercitar a mente

. Contemplação

. Taxa de álcool no sangue!...

. Vou ou não?

.arquivos

. Dezembro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2016

. Agosto 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub