Domingo, 5 de Agosto de 2012

Hora da brincadeira

É no mês de Agosto que chegam os emigrantes. Chega a família, que de ano para ano se vê aumentada. Já não são só os tios e os filhos, são os namorados e as namoradas dos filhos, as esposas e os maridos e os seus próprios filhos. A mais nova geração em toda a seu força, em número e em género, feminino, o mais dominante. Os reencontros entre os petizes transformam-se em momentos de encantamento. Num ano que passa, as crianças dão um pulo enorme, mudam de feições, e a maior parte das conquistas passaram-nos ao lado, como os primeiros passos, as primeiras palavras, o primeiro dente, mas apesar disso, a aproximação acontece, da forma mais espontânea possível. A separação que a própria distancia criou com a passagem de mais um ano quase desaparece nesta partilha de momentos. E o reencontro é especialmente apreciado pelas crianças. Mesmo que nos primeiros momentos prevaleça a timidez, rapidamente se dissipa e nem a língua é um entrave. Entendem-se na perfeição e as brincadeiras transformam-se em momentos tão puros. Os meus filhos estão nas sete quintas, adoram a prima que nasceu, que ainda só conta com 4 meses e já são bem visíveis os momentos de ternura que partilham entre si. Têm cá os primos de França e neste fim de semana, uma das primas de Tomar, e o mundo deles está por estes dias muito mais colorido. Precisam destas relações, desta complementaridade de afetos, que não existe no dia a dia. Têm os amigos da escola, mas a relação com os primos, com os filhos dos primos tem outra dimensão. E essa lacuna conseguem preenche-la nesta altura do ano. E a felicidade invade-lhes o rosto quando marcam encontro para o dia seguinte, quando as brincadeiras não têm fim e quando falam e se divertem, como se privassem desde sempre, a toda a hora. É preciso muito pouco, para viver um momento de felicidade, e eles estão tão felizes. De tal forma que adormecem de rastos, vencidos pelo cansaço, mas quando acordam pela manha, é hora de novo recomeço e as brincadeiras, essas, não podem esperar. E não entendem quando lhes pedimos calma, porque o mundo não acaba, dizemos nós. Mas no fundo, somos nós que não os entendemos, porque nos esquecemos que já fomos assim.
publicado por susana às 14:01
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31

.posts recentes

. 2019 a terminar!

. Caminhos

. Insónias

. Saudades e pipocas

. Girassóis

. Sunset

. Exercitar a mente

. Contemplação

. Taxa de álcool no sangue!...

. Vou ou não?

.arquivos

. Dezembro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2016

. Agosto 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub